Andaro

Jogos

JogosA existência dos jogos deu-se nos primórdios da civilização e sua procedência foi na prática religiosa, nos mitos e rituais mágicos.

Alguns jogos eram ricos de um simbolismo que foi se perdendo com o tempo, como por exemplo: o “pau-de-sebo” estava ligado aos mitos da conquista do céu; o futebol, à disputa do globo solar; o cabo-de-guerra, à dramatização simbólica da luta entre as forças da natureza; a amarelinha, aos antigos mitos sobre os labirintos e às jornadas que os espíritos faziam da Terra ao Céu após a morte, tal como os povos primitivos a representavam a milhares de anos.

Entretanto, esses jogos foram transmitidos oralmente de geração para geração e podem hoje ser considerados como patrimônio de toda a humanidade.

Eles existem até os dias de hoje e desempenham importante papel social e psicológico, tendo em vista que é muito utilizado para transmitir valores culturais, integração, desenvolvimento de papéis. Percebemos isso claramente ao observar as crianças brincando de adultos, reproduzindo atitudes, comportamentos e atividades que lhe são familiares.

Alguns acreditam que o jogo é uma situação definida com regras e que nem sempre abre oportunidade e ou a possibilidade para desenvolver-se. Acredito que essa exploração de atitude, comportamento ou habilidade nos prepara para situações semelhantes em nossa vida conduzindo nos a pensar, sentir e agir.

A vantagem de usarmos os jogos na educação empresarial é proporcionar uma vivência sistêmica, ao mesmo tempo contribuir para aumentar as competências pessoais e profissionais, bem como acelerar o processo de aprendizagem.

O fato é que aprender jogando torna-se muito prazeroso! O lúdico desperta o bom humor, ativa a espontaneidade e criatividade e estabelecem cumplicidade no grupo para fortalecer vínculos, principalmente porque as pessoas ficam à vontade para tentar. O vivido é transferido para nossa vida real demonstrando ser também um instrumento de aprendizagem independentemente da idade.

No manejo com o grupo utilizamos o jogo como técnica de aquecimento somadas ao jogo psicodramático a fim de potencializar  ao individuo exprimir suas criações colocando-as em ação na forma de representação de um papel. Neste ambiente lúdico os participantes se sentem a vontade para experimentar respostas novas para situações antigas.

Sendo assim, o jogo utilizado em suas variações facilita a conexão entre as pessoas estimulando seu desenvolvimento para construção e manutenção do conhecimento, além de proporcionar uma aprendizagem acelerada.

Rosangela Zarza

Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta

Postagens recentes

Andragogia

Ao trabalharmos com adultos é importante compreender seu processo de aprendizagem, e, neste sentido conhecer e entender os aspectos da Andragogia, uma metodologia que foi desenvolvida por Malcolm Knowles na década de 1970, conhecida como a arte de ensinar os adultos. É interessante observar que este conceito respeita as características específicas e oriundas do ambiente […]

0 comments

Socionomia

A Socionomia é uma ciência que foi criada por Jacob Levi Moreno em meados do século XX, ela engloba todo o estudo de Moreno, e, é comumente conhecida como Psicodrama, que tem como eixo fundamental a inter-relação entre as pessoas possibilitando articulação entre individual e o coletivo e potencializando o bem estar social. Há três […]

0 comments

Jogos

A existência dos jogos deu-se nos primórdios da civilização e sua procedência foi na prática religiosa, nos mitos e rituais mágicos. Alguns jogos eram ricos de um simbolismo que foi se perdendo com o tempo, como por exemplo: o “pau-de-sebo” estava ligado aos mitos da conquista do céu; o futebol, à disputa do globo solar; […]

0 comments

Você já ouviu falar em psicodrama?‎

O Psicodrama foi criado na década de 20 por Jacob Levy Moreno. Ele considerava que o individuo podia encontrar-se com a espontaneidade e a criatividade por meio da ação dramática. Seu projeto teve origem no teatro espontâneo, método de investigação do comportamento humano através da encenação improvisada, em que o ator encena a sua própria história. […]

0 comments